•  

    quarta-feira, 11 de novembro de 2015

    O sonho que NÃO virou realidade.

        Na vida, não importa o quão luxo você tenha, quantos amigos, se sua família é unida, se não te falta nada. Em meio a tudo isso, de vez em quando, você se sente incompleto, mas você tenta mascarar isso por não achar justo com você, com quem te ama, e com os outros que tem esse direito.
    Mas o que é direito na verdade? Quem é juíz da vida para dizer que uma pessoa pode ter algo, a outra não, que uma pessoa pode sofrer, e a outra não? Acho que botamos isso na nossa cabeça todos os dias, e com essa máscara, não nos permitimos muitas vezes extravasar, e chorar tudo o que tem pra chorar. E combinemos, isso ajuda de uma forma absurda!
        Entrando no banho quente de rotina, várias lembranças me vieram a cabeça, desde quando eu era criança pequena, bem criança mesmo, até os dias de hoje. Eu fui uma criança bem tranquila, bem pacífica, totalmente o oposto da minha irmã; eu ficava em casa, gostava de brincar de bonecas, de castelo, de casinha, de montar quebra cabeça. Eu lembro que quando eu ia para praia com a minha família, todos os dias eles iam para praia, e eu nunca fui lá grande fã (aliás, não sou até hoje), eu preferia ficar na casa enquanto eles iam para farra. Ficava vendo as novelinhas do sbt. Sim, cara... eu via muita novela mexicana, e eu adorava, eu idealizava, era como se eu vivesse junto. Minha avó sempre linda, quando meus pais me obrigavam a sair, ela deixava gravando meus episódios no videocassete (o mesmo até hoje, nada de DVD, ou CD, fita VHS mesmo), e chegando a noite, minha vovó via comigo todas as novelas. De vez em quando não gravava, ou a gravação havia ficado preto e branco, ou ruim demais, sem som audível, mas de vez em quando dava certo, e eu ficava feliz da vida com minhas novelas estilo "usurpadora, chiquititas, rosalinda" e por aí vai...

    Mas antes de eu chegar nas novelas, eu era completamente viciada em desenhos da Disney, eu SEMPRE fui, e SEMPRE vou ser (exatamente como minha mãe). Eu ia para a escola de tarde, minha mãe me deixava na minha avó, e a tarde ela me deixava na escolinha BEM EM FRENTE a escola dela, O clubinho da Rosinha... Minha avó me pegava em torno das 17 horas, eu chegava, colocava ou Mogli, ou Bambi, ou algum desenho das princesas. Naquela época não existia Lilo e Stitch, Procurando Nemo, Monstros S.A. Minha vida sempre rodou em torno das princesas da Disney. Minha avó comprava sorvete pra mim de pote, granulado, castanha de caju e cobertura, e eu era a menina mais feliz do mundo com essas coisas dadas. Esperava minha mãe sair do trabalho e ir me buscar, e chegando em casa o que eu fazia? Mais desenhos, Nicklodeon na época também: Cara, como eu me divertia vendo O laboratório de Dexter, Kenan e Kel, Clubinho do terror, As meninas super poderosas... eu amava, de verdade. Mas nada me fazia tão feliz quanto ver Cinderela, A branca de neve, A bela adormecida, A bela e a fera... Na verdade acho que começou daí o erro. Erro? Será? Desde meus 4/5 anos, desde que me lembro por gente, eu tinha o seguinte sonho: Conhecer o príncipe encantado, ir morar em um castelo, e esse amor seria maior do que tudo, incomparável, o verdadeiro TRUE LOVE, o verdadeiro "THE ONE". Eu sempre cresci com essa ideia, de que o amor é maravilhoso, e que um dia eu acharia meu príncipe encantado. Pra ser sincera naquela época não pensava muito em filhos, mas tudo isso mudou com meus 8 anos. 
    Na verdade eu nunca tive grandes sonhos, claro, assim como todo mundo eu tenho sonhos como ir morar nos Estados Unidos, ter um certo tipo de carro,  e enfim... Mas eu nunca visei dinheiro, nunca visei riqueza, nunca fiz de um sonho algo sólido e persistente, porque o meu sonho na verdade era muito simples: Era uma família minha. Era poder um dia dar para minha filha/o tudo o que meus pais me proporcionaram na infância. 

    Meus pais se conheceram bem novos, minha mãe tinha 13/14 anos, e meu pai 16/17, eles começaram a namorar bem cedo, e estão juntos desde então.
    A ideia de ter alguém pra vida inteira, nunca foi nojenta pra mim, muito pelo contrário. Eu sempre admirei muito esse tipo de acontecimento... não é preciso se casar virgem por exemplo, para manter alguém do seu lado para sempre. Alguns casos simplesmente acontece, o amor acontece... Na verdade sempre achei lindo o caso da minha mãe; ela só TEVE o meu pai na vida dela, e cara, isso é tão raro... minha mãe teve tudo aquilo que um dia eu sonhei. 
    Isso infelizmente não é mais possível para mim. Primeira parte do sonho não concluída.

    Muita gente fala: "Nossa, mas as mulheres precisam 'experimentar' mais de um homem na vida" e blá blá blá blá... Eu não concordo com isso, na verdade eu acho que quem fala isso nunca teve a oportunidade de amar alguém de coração e alma, a pessoa não sabe que você não precisa de mais língua, ou sexo nenhum além daquele. Aquele te completa, te faz feliz, você simplesmente não precisa de outro... você encontrou tudo aquilo que um dia você procurava.
    Veja... Casos como o da minha mãe são bem raros de acontecer. Qual a chance de você ter 14 anos e encontrar o amor da sua vida? Casar com ele e permanecer assim até ambos ficarem velhinhos? São quase NULAS as chances; Mas você vai me falar, que quando encontra uma história dessa não admira? Quantos de vocês eu vejo compartilhando fotos de velhinhos juntos e romantizando isso? É porque está enraizado, acho que no final das contas todos querem isso pra si. (ou não)...
    Sabem, existem mais de bilhões de pessoas no mundo. Você sabe o quão raro é seu coração escolher alguém para amar, e essa mesma pessoa dentre bilhões, escolher você também? Se você tem isso, pelo amor de deus, não seja estúpido, agarra-se como se fosse sua vida, aliás, é a sua vida. Não troque isso por uma noite, por uma garota qualquer, por um menino com um corpo bonito, a sensação nunca será a mesma... Eu não sou religiosa, na verdade estou bem longe disso, sou ateia, mas, o que eu realmente considero um milagre é você amar alguém, e essa pessoa te amar de volta. Cuide bem!

    Continuando, eu sempre fui do tipo a mais sonhadora e romântica possível cabível, e isso muitas vezes fez com que eu quebrasse minha cara, feio... Eu nunca tive sorte no ramo amoroso, apesar de ser meu sonho e minha idealização desde criança, eu nunca tive... Desde o menino do prézinho Guilherme a quem eu tinha uma quedinha enorme e sempre dava meus lanches e nunca olhou pra mim, até meus atuais 22 anos. Sempre pareceu, que as pessoas que meu coração escolhia, eram os errados, eles nunca olhavam de volta, e eu acaba chorando no colo da minha boneca. Sim, eu SEMPRE sofri por amorezinhos desde pequena. AQUELAS MALDITAS NOVELAS E AQUELES MALDITOS DESENHOS mexeram tanto com a minha mente, que o estrago foi profundo. Com isso, mesmo pequena, veio a baixa-auto-estima. Se meu coração já escolheu meia dúzia de pessoas e nenhum deles retribuiu de volta, o problema é comigo? É minha aparência? minhas amigas são mais bonitas? O que acontece?
    O tempo foi passando, a 6a série foi chegando, aquela época dos seus 12/13 anos quando você tem seu primeiro namoradinho, seu primeiro beijo... Bom, nada disso deu certo também. Eu tinha duas amigas que todos os garotinhos da minha idade eram enlouquecidos. Uma tinha se desenvolvido super rápido, tinha o corpo de uma menina de 16 anos, não tinha como não olhar pra ela... A outra, contagiava a todos, e sempre era alvo de olhares e bom... Eu com meus 12 anos era um verdadeiro patinho feio, eu nunca fui desenvolvida, e nunca, bem, não sei... Não tive sorte.
    O tempo foi passando, foi passando, foi passando, até que chegou a 8a série, e bem, nessa época você já está bem mais evoluída, e com amores novos. Naquelas, o menino o qual eu era loucamente "apaixonada" (se é que posso usar essa palavra pra algo desse tipo na época, rs) me fez de boba, pisava, ele era do terceiro ano, e a pobre da coitada estava completando o ensino fundamental.
    Nossa, eu era totalmente apaixonadinha por ele, de verdade, eu lembro da maioria das histórias, conversas, do que aconteceu e deixou de acontecer, mesmo tendo se passado tantos anos.
    Lucas... Lucas foi convidado pra ir no meu aniversário de 14 anos, meu deus, como eu estava feliz, o menino que eu era apaixonado ia com os amigos dele na minha festa, minhas amigas ficariam com os amigos dele, e eu com o menino que eu era apaixonada não é?! Já que ele se mostrava no mesmo 'patamar'. Acontece que no terceiro ano do ensino médio, você quer outras coisas que as meninas do ensino fundamental não podem te oferecer (bom, pelo menos as meninas da minha época, rs), elas pensam em outras coisas, e sua cabeça está em outra. Será mesmo? Quando se há amor sempre se dá um jeito não é mesmo? AFINAL, foi a mesma história da minha mãe. Ela com 14, meu pai com 16/17, e eles deram um jeito. Pois bem, voltando a história, bem, saibam que eu sou uma pessoa que coloco meus amigos acima de tudo, e jamais faria algo para machucá-los, de certa forma, com esse pensamento meu, eu pensava que ninguém faria o mesmo comigo, pobre ilusão...
    Na minha festinha de 14 anos, enquanto eu ia buscar o bolo de aniversário pra dar o primeiro pedaço pro infeliz do Lucas, eu desci do elevador, fui pra porta de vidro, e o Lucas estava se pegando, beijando com bastante vontade uma das minhas "melhores amigas". No. meu. aniversário.
    Primeiro coração partido.

    Ah sim, devo lembrar que ainda com meus 12 anos, eu ficava em casa vendo filmes com minha amiga Janayna. Filmes como (não esqueço, marcou): Um amor pra recordar, antes que termine o dia (foram esses dois que mais marcaram), e esses filmes mexem com sua cabeça também, te dão a ideia de que um dia você encontrará um amor tão grande, "que nem a morte pode separar". Eu vivi em torno disso, achei que realmente gostava do Lucas. Acabei perdoando ele e minha amiga, e não é que ele ficou com outra depois? Caramba, essas decepcões, mesmo que você tenha a idade que seja, doem, e te marcam! E machucam seu coração, mesmo que pequeno, e novo ainda...

    Mas qual é? Eu tinha apenas 14 anos, eu estava começando a vida, afinal, A Cinderela tinha quantos anos quando achou seu príncipe encantado? Um dia viria, eu sabia, eu sentia.
    Com meus 15 anos, posso dizer que encontrei o amor da minha vida, nenhuma pessoa marcou como ele. Com meus 15 anos me apaixonei de uma maneira que nunca havia sentido antes, e que custo até hoje pra sentir. O menino dos meus sonhos, o menino que fazia meu coração parar na boca quando chegava perto de mim. O menino que só de colocar uma corrente no meu pescoço me deixava sem ar por uns bons minutos... O menino que fazia eu acordar cedo com um sorriso no rosto todos os dias, simplesmente porque sabia que eu o veria por alguns minutos de manhã. O menino o qual o meu coração escolheu, e de alguma forma naquela época, o coração dele me escolheu de volta.
    Eu amei, aaaaah, eu amei sim! Com 15 anos você pode muito bem amar alguém, ainda sigo na filosofia de que o amor não tem idade, ele vem de vez em quando aos 12, aos 15, aos 18, aos 22, aos 27, aos 40 ou até mesmo depois, ou para alguns infelizmente, nunca. 
    O importante é: Eu amei, com todo coração que uma pessoa pode amar outra. Eu nunca havia me sentido daquela forma. Eu era feliz TODOS. OS. MEUS. DIAS! Cada beijo era como se eu tivesse no céu, e se eu pudesse, eu ficaria lá, a vida inteira. O meu primeiro amor, o meu primeiro namorado.
    Eu havia achado o meu príncipe encantado. Era com ele que eu queria ter tudo na primeira vez, era pra ele que eu entreguei completamente meu coração. Eu... era perdidamente apaixonada por ele, e qualquer um que visse saberia, sem eu falar nenhuma palavra.
    Eu fazia tudo, eu era completamente idiota, idiota no sentido apaixonada, quando seus olhos se perdem, você tem cara de bobo, você sente calafrios, você dá a vida pela pessoa, você só enxerga ela, ela é quem te faz feliz, ela é seu melhor beijo, ele é seu príncipe encantado! Você se pergunta: Onde você esteve por tanto tempo? Por que eu não te conheci antes? e por aí vai... 
    Não deu certo, com meus 16 anos, nosso namoro havia acabado, e praticamente minha vida também.
    Foi a primeira dor de verdade que enfrentei na vida... Foi uma época bem obscura pra mim, eu adoeci, perdi kilos, não ia pra escola, entrei em depressão, não sai da cama por 1 mês, fiquei no meu quarto por 3. Foi uma época bem, mais beeeeeeeem complicada na minha vida. 
    Parece infantil e imbecil, mas na verdade não foi, foi bem sério. Eu havia perdido o meu coração, ele era meu coração, eu não sabia como prosseguir sem a pessoa que eu mais amava no mundo na época, meus dias eram feios, a dor me rasgava como uma navalha. Na minha cabecinha, ele era o grande amor da minha vida, meu futuro marido, os pais dos meus filhos, o príncipe dos meus sonhos; e perder isso, foi perder um sonho da vida inteira, um sonho de criança, além de estar sofrendo por motivos de: dor de amor, eu estava sofrendo pois havia perdido o meu sonho, minha fé, tudo, tudo o que eu tinha. De alguma forma eu sabia que aquilo que eu sentia por ele, se dependesse dele poderia durar para sempre, mas de alguma forma, o sentimento acabou para ele. 

    Vejam, eu sou do tipo de pessoa, que se eu amar alguém, mesmo, não por motivos supérfluos, e a pessoa der o coração de volta; eu tenho para mim acordar todos os dias e fazer dos dias dele mais feliz; eu tinha isso pra mim, tinha mesmo. Ele deu o coração dele de volta por um bom tempo, e eu fiz o meu máximo, fiz o meu melhor pra provar todos os dias o que eu sentia. Nunca houve traição da minha parte, nunca houve flertes com outros garotos, nada, eu só via ele, só existia ele, ele nunca sofreria comigo, porque eu prometi fazer ele feliz, e eu levaria a sério essa promessa. 
    Mas vejam, certas coisas não dependem de você. Não importe o quanto você ame uma pessoa, o quanto você faça por ela, ela não é obrigada a te amar da mesma forma, ela não é obrigada a dar-lhe o coração; não é um contrato; como eu disse, é bem um milagre. Você tem que fazer sua parte, e torcer para que a pessoa realmente te ame, porque cara, se for amor, você estará bem, tudo estará bem, as coisas ruins com o tempo serão consertadas e não jogadas no lixo! A história de que "O amor move montanhas" é bem verdade, seja ele por irmãos, amigos, filhos, família, namorado, mulher, marido, não importa... Quando você ama e é verdade, sem mau, sem nenhum sentimento que prejudique a pessoa, você faz coisas inimagináveis, que no seu estado mental normal, você não faria. E não é a graça disso tudo? 
    Bom, eu sempre tive ele no coração, meu amor interminável durou quase 5 anos. Aos poucos fui começando a viver novamente, eu conheci claro que algumas pessoas, cai, me machuquei várias vezes dos meus 19 anos pra cá. Algumas foram bem rápidas, bem passageiras, outras apesar de terem sido algo rápido, durou bastante, até mais do que deveria durar. Mas o mais importante, eu havia recuperado o meu sonho. É... MEU SONHO, meu sonho de um dia conhecer alguém, casar, ser feliz, e bem, apesar de terem passado alguns nesses momentos, nenhum ficou.
    Parecia que a maldição havia voltado. Todos que eu tentava algo, se afastavam, ou então, no começo estavam bem empolgados também, mas depois, murchavam. Eu já fui feita de idiota muitas e muitas vezes, incansavelmente pra ser sincera. Eu perdi a conta de quantas pessoas já brincaram com o meu coração. E aos poucos, cada dia que passava eu acreditava um pouco menos, e um pouco menos, e um pouco menos. E não tem nada pior do que deixar de acreditar em algo que você carregou pra vida inteira. Não tem nada pior do que aceitar... Na minha vida vi várias pessoas, que na verdade nem ligavam pra isso, nem ligavam pra relacionamento ou príncipe encantado, e encontraram tão cedo, e estão tão felizes, e de vez em quando bate a: Nossa, mas ela nunca nem quis isso, e esse sempre foi  o meu sonho. 
    Nunca vai ser do mesmo jeito, nunca vai ser da mesma forma. A gente passa a acreditar cada dia menos, não só pelas desilusões, mas, por serem poucas pessoas que acreditam nisso também, por serem poucas as pessoas que querem te achar, por serem poucas as pessoas que vão colocar você como a vida delas.
    Existe? A cada dia que passa a gente envelhece mais e mais, e o sonho vai se distanciando, longe, bem longe, a gente consegue ver que nem uma estrela no céu, mas impossível de alcançar. E a cada dia essa estrela brilha menos, e menos, e menos, e menos.
    Eu nunca quis casar nova, e ter filhos nova, mas sempre quis um amor pra vida inteira, que com o seu tempo, resultaria nisso, em uma família; sempre quis o que minha mãe teve, sempre quis alguém que me conhecesse desde nova e soubesse mais da minha vida do que eu mesma; Com seus passados 20 anos, as coisas ficam mais cinza, mais chatas, nada vai voltar a ser tão intenso como seus 15 anos, e nada vai voltar a ser tão mágico como sua ingenuidade infantil.
    Quantos casamentos existem, mas quantos caras batem em mulher? Quantos caras largam suas esposas depois de anos de casamento? Quantos casamentos acabam porque o 'amor' morre? Eu, criança, não tinha essa imagem, não tinha essa visualização, essas coisas simplesmente não existiam para mim. Eu sempre fui de viver em uma bolha, e em um mundo cor de rosa. Muitos te julgam por isso, mas você vai fazer o quê? mentir? omitir? é seu sonho e NINGUÉM pode tirar isso de você. Ou eles gostam, ou eles se retiram e vão embora. 
    De vez em quando, eu ainda vejo uns casais que me dão esperança, que me fazem sorrir, que me fazem virar a cabecinha pro lado e fazer com que minha estrela volte a brilhar um pouco. Esses casais, esses raros que enxem meu coração de alegria, são poucos, mas tem... ah tem! E não digo aqueles que com 18/20 anos tem filhos e moram juntos não... não... Eu tenho um amigo americano, ele namora há 4 anos uma brasileira, e eles SEMPRE dão um jeito, SEMPRE! O amor não apaga com o tempo, nem com a distância, e o que eu vejo quando eles tão juntos, é algo que muitos casais por aqui que moram um do lado do outro não tem, e nunca terão.
    Quantas pessoas eu vejo juntas pelo simples fato de não quererem estar sozinhas, de quererem um relacionamento... graças a deus eu nunca fui disso. Só namorei uma vez, e com quem eu realmente era perdidamente apaixonada! Eu sempre quis isso pra mim, mas nunca quis uma mentira, pelo contrário, nada iria manchar o meu sonho de se tornar realidade.
    Porém, a realidade que a gente vive é bem feia! De vez em quando eu me refugio no meu mundo, nos meus pensamentos, porque faço de lá um lugar mais bonito. Ainda sou sonhadora, ainda sou romântica, essa é minha essência, isso não vai mudar nunca. 

    Bom, apesar de passarem alguns pela vida, nenhum ficou. Na verdade, nunca nenhum me amou. Eu sempre quis saber como é alguém te amar, sentir por você aquele amor de verdade, que nada fere, nada toca, nada acaba, nada esbarra. Aquele tipo de amor que não acaba, seja com o tempo, seja com a distância, seja com os problemas enfrentados! Eu nunca tive isso na minha vida. Eu sempre amei, mas eu nunca fui amada. Eu nunca fui protegida, eu nunca fui "acolhida". Sim, eu sempre sonhei com um homem que fosse me proteger de tudo, me desse colo quando eu chorasse e fosse tomar minhas dores. Um cara que me defendesse quando visse algo errado que faziam comigo, enfim, eu sempre fui a donzela na minha história super criativa. 
    Quando meu coração se mostra pronto, se mostra preparado pra tentar algo novo; quando as borboletas no estômago avisam que ele pode ser o "the one", ou a pessoa já seguiu em frente, ou ela não sente o mesmo.
    É bem frustrante, confesso. Quanta gente diz amar sem realmente amar.
    Eu sou daquelas que quando vai em um casamento, chora o mundo na hora da igreja, porque pra mim, é a coisa mais linda que tem!

    Mulheres querem ser amadas, não adoradas.
    Se você ama alguém, isso não acaba com alguns meses, um ano, por atitudes pequenas ou problemas enfrentados. Muito pelo contrário, você não larga o bastão, você não desiste, você vai até o aeroporto, pede pra pessoa ficar, você espera, você respeita, o seu sentimento não muda ligeiramente N-A-D-A, é o mesmo, desde o começo.
    Seu frio na barriga será o mesmo em anos, igual aquele que você sentiu no primeiro encontro. E É ISSO o que faz uma relação durar, esse frio na barriga. Se você ama alguém, esse frio não vai mudar, o sentimento não vai mudar, ele não tem data de validade, ele persiste. Se você já não sente esse frio na barriga, essa vontade de largar o mundo e estar com aquela pessoa, a vontade de estar SÓ com ela, ou se você não imagina mais um futuro na suas cenas com essa pessoa, muito provavelmente você não gosta mais. Não usei a palavra "ama" porque essa palavra é forte demais para descrever sentimentos tão pequenos utilizados pelo ser humano nos dias de hoje. 
    Você, simplesmente, não desiste.
    Eu amei por anos sem ser amada de volta, isso não fez com que o meu amor diminuísse, só... que eu sofresse!

    Ah sim, eu tenho meu vestido escolhido desde pequena, eu tenho o casamento dos sonhos desde pequena, e isso está enraizado em mim. Acho que afinal, vai ser sempre o meu sonho, não importa o quanto tempo passe ou o quão velha eu esteja.
    A única coisa que posso dizer disso tudo, é que estou mais experiente. Quando eu vejo que já vou gostar de alguém, e não vai ser recíproco, eu não dou mais espaço pra isso acontecer, porque no final das contas, a única machucada vai ser para sempre eu!

    Mas hey, um dia... one day... alguém vai aprender a amar, alguém vai te amar inteiramente, da cabeça aos pés, não conseguirá ver um defeito seu porque estará cedo demais. E se conseguir mesmo assim ver algum defeito que for, vai aprender a amar, vai te fazer companhia, não vai te esquecer, vai até o fim!
    E eu não vou ficar me perguntando: "ainda gosta"?
    "já esqueceu"?
    porque vou saber, no meu íntimo, lá... que é amor, e que amor não acaba.

    As pessoas não são um prato de comida, que você enjoa, empurra pro lado e diz: "obrigado, estou cheio, não quero mais".
    Pense bem em como usar o seu eu te amo!
    Existe uma diferença horripilante e gigantesca entre gostar de uma pessoa, e amar uma pessoa. São poucas coisas na vida que doem como ser esquecida, ou saber que o que você significou para alguém, hoje não significa mais.

    Hoje a noite, nada muito grave aconteceu, mas eu já estava indo pelo mesmo caminho de sempre. Claro que o resultado foi negativo, como sempre foi, então, hoje, minha estrela apagou, e meu sonho foi tirado de mim.
    Certos sonhos não são pra ser vividos por certas pessoas. 







    segunda-feira, 2 de novembro de 2015

    The Walking dead: Reações da "morte" do Glenn.

    Como todo fã de TWD sabe e acompanha, no dia 26 infelizmente ocorreu a suposta morte de Glenn (há muitas teorias de que ele na verdade não morreu).
    Selecionei as melhores reações (merda, eu devia ter filmado a minha e da minha família assistindo também, foi sensacional, mas não sabia que ia ter morte) pra vocês se divertirem um pouquinho assim como eu me diverti (uma semana depois pra não ser "too soon")


    A partir dos 7:30












    A partir dos 3:40




    A partir dos 8:40




    A partir dos 9:00





    A partir dos 8:50




    A partir dos 4:45




    A partir dos 6:15




    A partir dos 9:00



    A partir dos 1:00



    A partir dos 1:15









    A partir dos 25:45







    domingo, 1 de novembro de 2015

    12 coisas mais inúteis.

    1. Este corrimão.




























    2. Este portão completamente seguro.



























    3. Esta rampa extremamente útil.




















    4. Bancos reservados exclusivamente para as pessoas que podem se teletransportar.






















    5. Este limpador de para-brisas.


















    6. E esta cerca muito efetiva.



























    7. Estes degraus para lugar nenhum.








































    8. E estas escadas de nenhum lugar, para nenhum lugar.












    9. Esta parada de ônibus muito útil.


























    10. Estas vagas no estacionamento estavam tão próximas de ter sentido.




















    11. Estas adoráveis e práticas gavetas.


























    12. Esta porta que definitivamente não é um risco a saúde ou segurança.









































    @nati_nina

    @nati_nina